Hora certa:
 

Colunas

Corte do orçamento: saúde dos brasileiros não é prioridade do Governo

O Governo Federal divulgou, em 22 de maio, o maior corte de orçamento da história do Brasil: R$ 69,9 bilhões. As áreas sociais foram as mais prejudicadas. Nossa “Pátria Educadora”, lema do segundo mandato de Dilma Rousseff, tirou nada menos do que R$ 9,423 bilhões do MEC. Já a combalida saúde dos brasileiros, que há anos beira a UTI por absoluta insuficiência de recursos, perdeu R$ 11,774 bilhões.

Não discuto, aqui, a evidente necessidade de um ajuste nas contas públicas, fruto de má gestão financeira e corrupção recorrente. Contudo, esperávamos que o ônus do desequilíbrio econômico fosse absorvido pelo Governo, pois tinha a obrigação de cortar a própria pele para equilibrar o caixa. Mas isso não ocorreu. O grosso da conta, mais uma vez, ficou para os mais vulneráveis socialmente.

Falando em especial da saúde há evidências de que o sofrimento dos cidadãos deve ser agravado nos próximos meses e anos. A carência de recursos vai inibirinvestimentos, desvalorizar salários, afastar médicos e demais profissionais de saúde da rede pública e tornar o acesso cada vez mais complicado.

Aliás, ser atendido no SUS já é um desafio quase intransponível, como atestado pela mais recente pesquisa encomendada da Associação Paulista de Medicina, em parceria com o Conselho Federal de Medicina, ao Datafolha. Vale lembrar os resultados: cerca de 7 em cada 10 entrevistados avaliaram como difícil ou muito difícil esse acesso, desde a marcação de consultas até a longa espera para realização de cirurgias. A despeito de ser considerada a área social mais importante por parcela expressiva da população, a julgar pelo corte ora implantado, esta não é a visão do atual governo.

Curiosamente, o ministério da Saúde afirma que os programas de sua pasta não serão afetados. Impossível! O orçamento original já era escasso, além de estar comprometido com o empenho de recursos para ações polêmicas como o Mais Médicos, que leva em seu bojo transação obscura entre Brasil e Cuba.

Enfim, o horizonte imediato é preocupante e a sociedade precisa agir imediatamente a fim de defender um bem que é nosso de direito – saúde pública de qualidade e de fácil acesso a todos, valorizada e atualizada, capaz de prover condições de diagnóstico e tratamento adequados.

Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina 
 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 54.234.227.202 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)