Hora certa:
 

Colunas

Por que um mundo altamente conectado ainda tem dificuldades de comunicação?

É inegável que vivemos a era do Digital, da hiperconectividade, em que as informações sobre tudo e sobre todos chega para nós a todo momento. Sabemos o que acontece em qualquer parte do mundo, sem restrição de horários ou mesmo de línguas. A tecnologia quebrou todas as barreiras: geográficas, temporais e linguísticas.
 
Na dúvida sobre algum conteúdo, é fácil recorrer a tradutores ou até mesmo ao novíssimo machine learning e seu uso da inteligência artificial para o aprendizado. Até mesmo as fake news, que invadem nossas redes todos os dias, também podem ter a veracidade dos seus fatos atestadas. Falando assim, parece que tudo está mais fácil atualmente. Mas, então, por que um dos maiores problemas do mundo hoje, principalmente no meio corporativo, é a comunicação?
 
Justamente pela superinformação que vivemos hoje, pelo excesso de estímulos que recebemos a todo momento, que alteraram o fluxo da comunicação e abriram espaço para a colaboração e a democratização da informação. Se antes, tínhamos nas empresas uma comunicação prioritariamente vertical, com as informações vindo de cima para baixo, obedecendo as hierarquias, hoje a horizontalização faz parte da realidade da comunicação corporativa.
 
A tendência de que o mundo adota o inclusivo no lugar do exclusivo afetou diretamente a comunicação e chegou nas empresas. Agora, cabe a este novo líder (ou o líder 4.0, adotando o conceito de Kotler) organizar e trabalhar este fluxo, de forma a evitar os boatos e os excessos de informações e veículos que tornam a comunicação esquizofrênica.
 
Uma comunicação sem planejamento, sem pensar na integração dos diversos meios existentes na empresa (no crossmedia) não surte o efeito desejado e, mais do que isso, gera ruídos que levam a inúmeras consequências, como desmotivação, baixa produtividade, clima organizacional ruim, líderes que não são referência e falta de engajamento. Este último, aliás, é tema estratégico em todo meio corporativo. Engajamento está totalmente ligado à comunicação e seus líderes.
 
Entender esta mudança no fluxo comunicativo e todo o mindset colaborativo que a conectividade trouxe é premissa básica para todo líder 4.0. Afinal, o engajamento dos colaboradores à missão da empresa é de total responsabilidade dos gestores. Parafraseando John C. Maxwell, um dos maiores especialistas em liderança do mundo, “Liderança não é sobre títulos, cargos ou hierarquias. Trata-se de uma vida que influencia outra”.
 
Luciana Varga é jornalista, professora universitária e coordenadora de comunicação corporativa do EAD da Estácio.
 
 
 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 54.234.227.202 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)