Hora certa:
 

Notícias

Brasil atinge hoje a marca de 500 mil médicos

O Brasil deve atingir hoje a marca de 500 mil médicos. Segundo levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM), há precisamente 499.990 profissionais da medicina em atividade no País (dados da quarta-feira, 4/11). Concentrando 28,50% do total de inscrições ativas, São Paulo é o Estado que possui a maior quantidade de médicos: ao todo, são 142.243. Com o número expressivo (razão aproximada de 2,36 médicos por mil habitantes), o País ainda sofre com uma grande desigualdade na distribuição da população médica entre estados, capitais e cidades do interior. 

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (Anadem), Raul Canal, analisando o cenário, não é difícil constatar que o volume não resolve o problema de saúde do Brasil, uma vez que uma porcentagem mínima desses profissionais está em municípios de até 50 mil pessoas – e estes são maioria entre as cidades brasileiras: “A má distribuição de profissionais não resulta de um suposto desinteresse dos médicos, que até chegam a migrar para essas regiões. O que se observa é a falta de infraestrutura básica em algumas regiões, o que expõe um enorme abismo na saúde do Brasil”.

“Em municípios menores e distantes dos grandes centros há uma evidente falta de acesso aos serviços de saúde. Os médicos acabam desistindo de atuar nesses locais, onde sofrem com a ausência de uma infraestrutura mínima: não há hospitais, postos, remédios, transporte. Diante dessa falta de perspectiva, o profissional não consegue resistir por muito tempo, especialmente quem está longe da sua rede de apoio. A questão é complexa e requer respostas à altura. É preciso, ao menos, assegurar condições básicas para a assistência efetiva à população”, enfatiza o especialista em Direito Médico e Bioética.

Para Canal, o Brasil precisa trabalhar arduamente na melhoria da infraestrutura de saúde e numa melhor distribuição de profissionais, dando a eles o suporte que precisam. Assim como o SUS (Sistema Único de Saúde), enfatiza ele, esses profissionais precisam ser protegidos, além de ter corrigida em suas deficiências a estrutura de atendimento na qual atuam. “Muitas das vezes, são essas falhas estruturais que os impedem de prestar um atendimento mais adequado e humano aos pacientes. Neste momento em que a saúde é prioridade no mundo todo, temos uma chance inigualável de aprofundar o debate”, analisa.

Covid-19

Durante o enfrentamento à Covid-19 no Brasil, 387 médicos foram a óbito, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). Entre os enfermeiros, de acordo com o Conselho Federal de Enfermagem, o número chega a 460. Para a Anadem, os dados reforçam a importância de serem promovidas iniciativas que busquem preservar a integridade física e mental dos trabalhadores da área da saúde ou até mesmo compensar aqueles tenham sido contaminados durante o atendimento às pessoas infectadas.

Só para se ter uma ideia da fragilidade mental dos profissionais da linha de frente, apenas 14,2% sentem-se preparados para lidar com o novo coronavírus, segundo pesquisa do Núcleo de Estudos da Burocracia (NEB), da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. A maioria (64,97%) respondeu não estar apta para trabalhar na pandemia. O restante não soube responder.

“Com a pandemia, nossos profissionais têm demonstrado o seu grande valor, embora efetivamente pouco se faça para reconhecê-los. Vídeos, posts de agradecimento e palmas organizadas não bastam para quem está na linha de frente. O amparo especializado é essencial. São primordiais as ações integradas para afastá-los da depressão, da ansiedade e do estresse pós-traumático. É valorizando e fortalecendo a classe que vamos melhorar a saúde da população”, conclui Raul Canal.

 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 18.213.192.104 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)