Hora certa:
 

Notícias

Spray nasal será reforço das vacinas por estimular anticorpos específicos da mucosa

Para invadir o corpo humano, cada tipo de vírus escolhe uma porta de entrada, de modo que, para combatê-los, o corpo também produz diferentes anticorpos. O tétano, por exemplo, ataca o nosso corpo pelo sangue, mas a pneumonia avança melhor pelos pulmões. É por isso que existem tipos diferentes de vacinas: para estimular a produção de um (ou vários) anticorpos específicos para cada doença. É pensando nessa dinâmica do organismo que estão sendo desenvolvidas novas gerações de imunizantes, como o spray nasal, tido como um importante reforço às vacinas aplicadas por via intramuscular, em desenvolvimento na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em conjunto com a USP, Incor e Butantã.

"As vacinas que atualmente são aplicadas no braço estimulam a produção de anticorpos dos tipos IgM e IgG, que circulam livremente no sangue e no plasma. Elas são muito eficazes no combate ao vírus e, sem dúvidas, são grande responsáveis pela queda no número de internações e de óbitos, mas ainda enfrentam o desafio de barrar a grande capacidade de transmissão. É nesse aspecto que entram as chamadas vacinas de segunda geração, como as de spray nasal", explica a Daniela Santoro, imunologista e docente da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (EPM/Unifesp).

Para combater as doenças respiratórias, os anticorpos ideais são os do tipo IgA, produzidos nas mucosas, presentes em grandes quantidades nesses locais e muito mais específicos para atacar patógenos como, é o coronavírus.

"As novas vacinas devem atuar como mecanismos de defesa nessas portas de entrada, reforçando o que o nosso organismo já faz de forma muito inteligente. Os estudos caminham nesse sentido e acreditamos que essa nova geração de imunizante seja capaz de frear a transmissão do vírus, com potencial para conter a pandemia", conclui Daniela.












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 3.80.3.192 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)