Hora certa:
 

Notícias

Enxaqueca: principal causa de incapacidade velada em adultos

Pesquisas globais promovidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre os transtornos causados pela enxaqueca, revelaram a real escala deste problema para a saúde. A entidade citou que as adversidades de enxaqueca e dor de cabeça são grandes desafios de saúde pública em todos os países do mundo3.

A pesquisa foi realizada com cerca de 8000 participantes4 em 10 países, abrangendo diversas culturas, grupos e povos. O foco do estudo foi posto em pacientes com enxaqueca, e os resultados são preocupantes: 1175 pacientes nos 10 países pesquisados apresentaram episódios em mais de cinco dias por mês5 de enxaqueca. Essa frequência indica a necessidade de uma medicação preventiva, e menos de 20% dos entrevistados5 tinham consultado um profissional de saúde (geral ou especialista).

"É de suma importância que os pacientes com enxaqueca consultem um médico para identificação da sua condição. Menos de 10% dos pacientes5 desse estudo recebiam um tratamento adequado" explica o dr. Marcio Nattan, neurologista do Grupo de Cefaleias do Hospital das Clínicas da USP São Paulo. "Mesmo se tratando de uma região desenvolvida como a Europa, poucas pessoas realizam tratamentos adequados para conter a doença", completa.

Desde que a enxaqueca foi incluída na GBD (Global Burden of Disease - Carga de Doença Global, em português), a doença vem ganhando postos exponencialmente na classificação dos YLD’s (Years Lived with Disability - Anos vividos com invalidez, em português), tendo sido alçada à posição de moléstia que mais gera incapacidade no mundo em adultos abaixo dos 50 anos, com maior incidência nas mulheres do que nos homens6-7.

Fatores de estilos de vida como depressão, ansiedade, sedentarismo, obesidade e distúrbios do sono são determinantes para que uma pessoa desenvolva mais ou menos ciclos de enxaqueca8. É de extrema importância que os pacientes procurem neurologistas e especialistas para o diagnóstico correto, indicando o melhor tratamento para a pessoa. Com esses passos, a chance de incremento na qualidade de vida do paciente é mais alta.

Referências consultadas:

• GBD 2016 Headache Collaborators. Global, regional, and national burden of migraine and tension-type headache, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016.
• Lancet Neurol. 2018 Nov;17(11):954-976. doi: 10.1016/S1474-4422(18)30322-3
• World Health Organization, Lifting The Burden (2011) Atlas of headache disorders and resources in the world 2011. Geneva: WHO.
• Andrée C, Stovner LJ, Steiner TJ, Barré J, Katsarava Z, Lainez JM, Lair M-L, Lanteri-Minet M, Mick G, Rastenyte D, Ruiz de la Torre E, Tassorelli C, Vriezen P, Lampl C (2011) The Eurolight project: the impact of primary headache disorders in Europe. Description of methods. J Headache Pain 12:541-549
• M, Tekle-Haimanot R, Birbeck GL, Herekar A, Linde M, Mbewe E, Manandhar K, Risal A, Jensen R, Queiroz LP, Scher AI, Wang SJ, Stovner LJ (2014) Diagnosis, prevalence estimation and burden measurement in population surveys of headache: presenting the HARDSHIP questionnaire. J Headache Pain 15:3
• Queiroz LP, Peres MF, Piovesan EJ, Kowacs F, Ciciarelli MC, Souza JA, Zukerman E. A nationwide population-based study of migraine in Brazil. Cephalalgia. 2009 Jun;29(6):642-9. doi: 10.1111/j.1468-2982.2008.01782x
• GBD 2016 Headache Collaborators. Global, regional, and national burden of migraine and tension-type headache, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016.
• May, A., Schulte, L. Chronic migraine: risk factors, mechanisms and treatment. Nat Rev Neural 12, 455-464 (2016). https://doi.org/10.1038/nrneurol.2016.93












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 3.80.3.192 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)