Hora certa:
 

Notícias

25 de novembro - Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher

Universitárias da Fundação Getúlio Vargas declaram guerra ao Boa Noite Cinderela 
 
Preocupadas com os riscos que aumentam em festas, bares e baladinhas, elas criaram um “antídoto” simples, acessível e eficiente contra o envenenamento por drogas em bebidas
 
Momentos de lazer são indispensáveis para a saúde do corpo, da mente e da alma.  Partindo de tal princípio, aliás, comprovadíssimo pela Ciência, chegamos à inevitável conclusão de que é absolutamente salutar uma mulher (ou qualquer outra pessoa) frequentar baladinhas de vez em quando, sair para dançar e/ou baixar na festa da faculdade, entre outras distintas possibilidades de vitaminar a vida de alegria. 
Em tese é isso mesmo. Porém, a teoria, na prática, pode ser diametralmente oposta e bem assustadora. Em especial no caso delas, é público que há riscos diversos - boa parte deles enquadrados no leque da violência de gênero. Por exemplo: de tempos para cá, tem sido cada vez mais comum episódios de mulheres dopadas com alguma droga colocada na bebida. 
Aliás, uma rápida busca no Google permite registrar que também estão aumentando os casos de morte por envenenamento por drogas misturadas às escondidas em drinques e até em refrigerantes. 
Atentas às ameaças contra as mulheres e antenadas ao meio que conhecem bem, um grupo de universitárias da Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV) criou um “antídoto” simples, acessível e eficiente contra o envenenamento por drogas em bebidas. Deram a ele o nome de Tampô! 
Não ao acaso, pois é exatamente o que faz. Tampô, digamos assim, “lacra” a boca do copo, dificultando/inviabilizando tentativas de dopagem. 
O produto é pioneiro no Brasil e de enorme relevância social. Particularmente, considerando a escalada da violência contra as mulheres e a necessidade de utilização de luta, união e criatividade para vencê-la. 
Tão interessante e louvável quanto o próprio Tampô é o trabalho que suas criadoras – as universitárias Gabriela Kulcsar, Gabriella Cossi, Georgia Naccache e Laura Pires - realizam nas mídias sociais para conscientizar as mulheres sobre esse tipo de truculência e abuso. No Instagram (https://www.instagram.com/usetampo), elas estão organizando ampla biblioteca a respeito do tema. Há informações sobre golpes famosos, como o Boa Noite Cinderela, notícias de casos rumorosos e até uma corrente de proteção mútua no link Vamos ajudar outras mulheres. Quem quiser sugerir temas ou interagir com a galera do Tampô pode ainda usar o e-mail usetampo@gmail.com
Por essas e outras, já existe uma procura espontânea de diretórios acadêmicos de universidades para disponibilização de unidades do Tampô em encontros/festas, o que é alvissareiro em termos de prevenção à ação de criminosos e aos atos de violência às mulheres.  
 
Dados e realidade são estarrecedores
 
25 de novembro é Dia Internacional de Luta Contra a Violência à MulherDestacada desde 1999, por iniciativa da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, a data foi definida em homenagem às memórias das irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), dominicanas assinadas em 1960 pela ditadura de Rafael Leónidas Trujillo aos 25 de novembro. Em todo o planeta, visa à reflexão e à luta. 
A mesma ONU estabelece como agressão à mulher "qualquer ato de violência de gênero que resulte ou possa resultar em danos ou sofrimentos físicos, sexuais ou mentais para as mulheres, inclusive ameaças de tais atos, coação ou privação arbitrária de liberdade, seja em vida pública ou privada". 
Uma em cada quatro mulheres acima de 16 anos sofreu algum tipo de violência no Brasil, durante a pandemia de Covid, segundo pesquisa do Instituto Datafolha. Os canais Disque 100 e Ligue 180 registraram 105.671 denúncias do gênero em 2020. O número representa um registro a cada cinco minutos. 
Boa noite, Cinderela é uma das formas de violência com casos em ascensão. Consiste na dopagem da vítima por bebida alcoólica misturada com uma ou mais substâncias alcaloides, seja de base natural ou sintética. 
A bebida alcoólica funciona como potencializadora dos efeitos. Ao ingeri-la, atenção e memória são afetadas. O uso de substâncias modificadoras de comportamento para cometimento de delitos é fenômeno contemporâneo adotado para o cometimento de roubos, homicídios, estupro e abuso sexual.












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 54.144.55.253 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)