Hora certa:
 

Notícias

Mercado farmacêutico ganha força e aposta em nichos especializados

Jornalista: Rodrigo Petry
Com um mercado mais resistente às oscilações econômicas, o setor farmacêutico ganha força este ano com a capitalização de empresas dedicadas à fabricação e distribuição de medicamentos em nichos especializados.

Prestes a receber um aporte de recursos por meio de uma oferta de ações na bolsa de valores, a Blau Farmacêutica se especializou no atendimento direto a hospitais, clínicas e órgãos públicos, em vez de atender ao varejo em geral. Entre os trunfos para atingir estes nichos está o desenvolvimento, por meio de marca própria, de medicamentos que vão dos injetáveis aos aplicados em alta complexidade.

“Nossos medicamentos são vendidos em hospitais e clínicas de todo o Brasil”, afirmou o diretor-presidente da companhia, Marcelo Hahn, destacando que a empresa ingressou recentemente no mercado de dermocosméticos com a toxina botulínica, conhecida pela marca Botox. “O consumo da toxina é grande no Brasil. Desde o ano passado, os dentistas também estão autorizados a trabalhar com esses produtos estéticos”, afirmou.

Segundo informações da IMS Quintles, a Blau é a segunda maior empresa com capital nacional dentro da América Latina em termos de comercialização de insumos por alta tecnologia para o mercado não-varejo. As principais áreas terapêuticas do mercado de produtos hospitalares, onde a Blau está inserida, são infectologia, oncologia, hematologia e nefrologia.

“Trabalhamos basicamente com as moléculas existentes no mercado, mas também na pesquisa e no desenvolvimento”, acrescenta o executivo. Em termos de inovação, ele reconhece as dificuldades existentes no Brasil, sobretudo pelos poucos centros de pesquisa. Segundo Hahn, a empresa investe cerca de 2,5% da receita líquida em pesquisa e desenvolvimento.

“Buscamos inovar em nossos produtos aqui no Brasil, mas somos obrigados a fazer estudos de compatibilidade fora do País, já que a estrutura por aqui é pequena e precária”, avaliou. Além de usar os recursos obtidos com a abertura de capital para o aumento da capacidade produtiva, pesquisa e aquisições, a empresa mira a expansão na América Latina.

“Exportamos para muitos países e estamos com cinco subsidiárias, mas toda a produção fica no Brasil”, afirmou em relação aos mercados já em atividade (Colômbia e Uruguai) e em processo de abertura (Argentina, Chile e Peru).

Outra empresa que também atua no ramo de especialidades farmacêuticas de alta complexidade é o Grupo Biotoscana, que em julho deste ano arrecadou mais de R$ 1,3 bilhão em recursos com a abertura de capital na bolsa brasileira. A companhia atua diretamente com canais privados, como hospitais e clínicas, em medicamentos para doenças infecciosas ou raras, oncologia e oncohematologia, tratamentos especiais, imunologia e inflamações.

“Buscamos ter medicamentos de alto valor agregado no portfólio e operar em linhas terapêuticas estratégicas”, destacou durante teleconferência com analistas o vice-presidente executivo de desenvolvimento do Biotoscana, Renato De Giorgi. Para o Brasil, a empresa lançou no terceiro trimestre quatro novos produtos destinados às áreas de oncologia e neurologia.

Fonte: DCI












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 54.224.91.246 | CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/)