Hora certa:
 

Notícias

Governo de SP analisa parceria entre Butantan, USP e Novartis

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se encontrou com o presidente do Instituto Novartis de Pesquisa Biomédica (Nibr, na sigla em inglês), James Bradner, para discutir uma eventual parceria da empresa com a USP e com o Instituto Butantan, na área de pesquisa. O encontro aconteceu no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

"Nos últimos três anos a Novartis do Brasil teve um investimento de US$ 150 milhões (R$ 565 milhões) em programas de pesquisa. Agora o objetivo é que o Governo de São Paulo, ao lado da Novartis, possa realizar um programa para os próximos 10 anos", afirmou o Doria.

Segundo a assessoria de imprensa do governador, Doria e Bradner irão se encontrar novamente no Brasil para conversar sobre a ideia. Não foi explicitado qual seria o escopo desse programa. Algumas das áreas de atuação da Novartis envolvem terapia celular, terapia gênica e os chamados imunobiológicos, área em que o Butantan também têm expertise.

Recentemente a empresa suíça lançou uma terapia celular para o tratamento de leucemia e uma terapia gênica para tratar uma doença que leva à cegueira. Hoje, a Novartis atua nas áreas de oftalmologia, neurologia, sistema respiratório, imunologia (que engloba dermatologia e reumatologia, por exemplo), cardiovascular e oncologia. Em parceria com governos também há produção de drogas a preço custo para tratamento de hanseníase, no Brasil, e malária, na África.

O Butantan já firmou parcerias com outras farmacêuticas. Entre os principais acordos, o da MSD (Merck, nos EUA) foca o desenvolvimento da vacina da dengue e pode render mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 376 milhões) ao instituto, além de royalties.

Também há uma parceria com a Libbs, no valor de R$ 40 milhões, para a construção de uma fábrica de medicamentos monoclonais —para tratamento de câncer e doenças autoimunes. Segundo o Butantan, a fábrica produzirá e fornecerá ao SUS seis drogas: trastuzumabe, rituximabe, bevacizumabe, etanercepte, adalimumabe e palivizumabe.

O objetivo declarado de Doria em Davos é atrair investimentos estrangeiros para São Paulo. Uma das metas é formar parcerias com o setor privado para que o Butantan se torne o maior produtor mundial de vacinas. A Novartis recentemente vendeu sua área de vacinas para GSK, com a qual o Butantan também tem uma parceria.

Fonte: Jornal Folha de S. Paulo 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 3.90.12.112 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)