Hora certa:
 

Notícias

Insuficiência cardíaca: estudo brasileiro desenvolve molécula para ajudar quem sofre com a condição

O estilo de vida moderno e nossos hábitos nem sempre saudáveis podem acabar deixando o coração em apuros. Quando cansado e sobrecarregado, o órgão não consegue mais trabalhar corretamente e acaba não dando conta do recado: é o que acontece nos casos de insuficiência cardíaca, quando o coração não consegue mais bombear o sangue como deveria. Os últimos dados levantados pela Associação Americana do Coração mostraram que em 2014 eram 6,5 milhões de casos de insuficiência no país, com a previsão de que esses casos crescerão 46% até 2030, chegando a atingir cerca de 8 milhões de pessoas.

 O que sabemos da insuficiência cardíaca é que geralmente ela também está associada a outras doenças cardiovasculares. Os sintomas são confusos e surgem logo após o coração começa a falhar, aparecendo aleatoriamente e devagar: falta de ar, dificuldade para respirar, palpitações, fadiga, fraqueza, desmaios, pulso irregular, tosse, perda de apetite e dificuldade em se concentrar.
 
Segundo o cirurgião cardíaco e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, Dr. Élcio Pires Júnior, a insuficiência cardíaca é uma doença grave e causa grandes impactos na vida do paciente. “Quando a insuficiência é diagnosticada, é importante que o paciente esteja ciente da sua seriedade, já que é necessário readequar o seu estilo de vida ao tratamento da doença, pois não tem cura”, comenta o especialista.

Um recente estudo do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo desenvolveu uma molécula que pode aumentar a qualidade e a expectativa de vida de quem sofre com a insuficiência. A molécula foi testada em ratos que apresentavam a condição e, em apenas em seis semanas, a doença foi estabilizada e o quadro regrediu, aumentando a capacidade do coração se contrair. A melhora da contração do músculo cardíaco também foi apresentada quando a molécula foi testada em células cardíacas humanas.
 
Apesar da gravidade da doença, o cirurgião cardiovascular não recomenda que o paciente deixe de praticar atividades físicas. “Os exercícios são benéficos ao coração: relaxam os vasos e melhoram o fluxo sanguíneo, podendo ajudar as pessoas que sofrem com a doença. Desde que a consulta com o cardiologista esteja em dia, exercícios de baixo impacto são muito bem recomendados a esses pacientes, como a caminhada e o yoga”, incentiva o médico.
 
Para evitar a insuficiência cardíaca, é preciso tomar vários cuidados com o organismo em geral. “A prevenção da insuficiência é a mesma para todas as outras doenças cardiovasculares. É preciso focar em uma boa alimentação, acompanhado de exercícios físicos diários, e deixar de lado todos os hábitos prejudiciais à saúde. Os principais fatores de risco para as complicações cardíacas são o tabagismo, o sedentarismo, maus hábitos alimentares, hipertensão, alto colesterol e diabetes desregulada”, finaliza o cirurgião.












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 54.236.246.85 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)