Hora certa:
 

Notícias

Aumenta o consumo de medicamentos para transtornos mentais entre jovens brasileiros

Recente estudo de mercado divulgou dados que confirmam e aumentam a preocupação em relação a um fenômeno que se acentua: os transtornos mentais, principalmente a depressão e a ansiedade, que vêm crescendo entre a população jovem em todo o mundo, revelam-se exponenciais no Brasil.

 O levantamento, realizado por uma empresa especializada em inteligência de dados de saúde, engloba os anos de 2017 e 2018 e envolve uma amostragem de 318.639 e 397.192 indivíduos, respectivamente, para cada ano. Os dados indicam que o consumo de medicamentos para o tratamento de depressão e ansiedade e a utilização de sedativos pelos jovens cresceu 7,32% e que, entre adolescentes de 15 a 17 anos, o crescimento foi mais acentuado, chegando a 21,31%.

 De acordo com o Dr. Marcelo Niel, médico psiquiatra e doutor em Ciências pela UNIFESP, "Os dados oferecem importante material para reflexão, mas é necessário diferenciar o tipo de medicação prescrito, porque vemos um aumento importante de uso de ansiolíticos benzodiazepínicos na população em geral, e também entre jovens. Isso não necessariamente representa aumento dos índices de doença mental, mas talvez uma sociedade mais medicalizada, que tem maior dificuldade em suportar dificuldades e desafios. Além disso, é fato que a doença mental está sendo mais diagnosticada e notificada. Hoje, vemos que a população e os profissionais de saúde mental estão mais atentos para a importância do diagnóstico correto, inclusive para informar pacientes e familiares".

Família disfuncional, bullying no ambiente escolar, incerteza em relação ao futuro, pressão por notas altas e a entrada em uma faculdade são os fatores mais comuns para a depressão e ansiedade, revela a maioria dos estudos recentes. Segundo o estudo mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema dos transtornos mentais, o Brasil é o país mais ansioso e estressado da América Latina, considerando-se a população de forma geral. Em escala global, o número de pessoas com depressão aumentou 18,4% nos últimos dez anos. São 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da Terra. O Brasil engrossa essa conta com 5,8% de seus habitantes, a maior taxa do continente latino-americano. O país também lidera a América Latina em relação à ansiedade, com 9,3% de sua população sofrendo dessa condição.

Além da preocupação dos profissionais de saúde mental com relação ao diagnóstico correto e a informação aos familiares durante o tratamento, vale ressaltar também que o acesso a medicamentos de forma adequada,  importante para que a população tenha mais aderência e para que o tratamento seja mais eficiente. 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 34.204.171.108 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)