Hora certa:
 

Notícias

Epidemia: Alzheimer acometerá 152 milhões de pessoas em 2050

Desde que Alois Alzheimer (1864-1915) descreveu a Demência de Alzheimer (DA), em 1907, pouco foi possível avançar no seu entendimento. O grande empenho da comunidade científica, sobretudo nas últimas três décadas, reflete a necessidade de respostas rápidas para esta doença que já é considerada a epidemia do século XXI. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca 50 milhões de pessoas são acometidas pela enfermidade em todo o mundo. A entidade estima que, até 2050, esse número cresça para 152 milhões.

Caracterizado como doença neurodegenerativa progressiva, o Alzheimer ocorre quando o processamento de certas células do Sistema Nervoso Central se dá de maneira incorreta. Assim, fragmentos de proteínas tóxicas começam a surgir dentro dos neurônios, promovendo a perda progressiva deles, principalmente, em regiões como hipocampo, responsável pela memória, e córtex cerebral, essencial para linguagem e raciocínio. 

De acordo com Dra. Sandra Cristina Maciel, especialista em geriatria no Hospital Felício Rocho e fellowship em psiquiatria, o paciente deve procurar o serviço médico assim que perceber déficit de memória, dificuldade de aprendizado e redução na capacidade de gerir a própria vida, como lidar com as finanças, decisões e planejamento de atividades.

O diagnóstico é feito por exclusão. Os tratamentos com fármacos que existem hoje são tímidos, com efeitos que não se mantêm a longo prazo. “O tratamento farmacológico disponível restringe-se ao tratamento sintomático, capaz de propiciar efeitos benéficos nos aspectos cognitivos, comportamental e funcional. Ele deve ser iniciado logo após o estabelecimento do diagnóstico, porém, o benefício alcançado com esses agentes é, em geral, modesto e não modifica o curso natural da doença”, explica a médica.   

Dra. Sandra ressalta ainda que, confirmado o diagnóstico de Alzheimer, toda a família do paciente deve se mobilizar para manter a qualidade de vida e o mais alto grau de autonomia dele pelo maior tempo possível. “O tratamento eficaz para o DA requer uma sólida aliança entre o paciente, familiares e cuidadores. É necessário abordar questões do cuidado, planejamento financeiro e diretivas de vontade por se tratar de uma doença progressiva, degenerativa e irreversível”.

Além do tratamento medicamentoso, terapias ocupacionais também são de grande importância para a melhor qualidade de vida do paciente. Técnicas de reabilitação cognitiva, treinamento de memória, estimulação por meio da arte, recreação, dança e musicoterapia são extremamente válidas e indicadas pelos médicos. “Deve-se sempre considerar as expectativas versus as possibilidades reais e potenciais do paciente e reavaliar constantemente os resultados obtidos por meio da intervenção proposta”, afirma Dra. Sandra Cristina Maciel.












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 75.101.173.236 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)